icon

Carta manifesto do I Seminário das Originárias da Terra

Durante os dias 15 e 16 de outubro de 2022, as Mulheres Terra, Raízes, Sementes e Água* da Articulação Nacional das Mulheres Indígenas Guerreiras da Ancestralidade (ANMIGA) se reuniram em Brasília para realizar o I Seminário das Originárias da Terra.

As 62 mulheres indígenas presentes no encontro representam lideranças nacionais, regionais, locais e internacionais do movimento que reunidas nesse momento compartilham suas lutas, histórias de vida e reforçam a união entre mulheres indígenas de todo o planeta.

Agradecemos e comemoramos a presença e participação das 4 Mulheres Água (internacionais) lideranças icônicas de seus países, que ampliam a conexão solidária entre mulheres na luta global por seus territórios, saberes, corpos e ciências. São elas: Elisa Loncón (Chile), Engracia Perez Castro (México), Rosita Aguilar (México), Celestina Castillo (México).

O ano de 2022 foi marcado por lutas e vitórias históricas para o movimento das mulheres indígenas, um ano de desafios que demandou das Guerreiras o avanço de seus caminhos, muitas vezes em direções diferentes, mas nunca divergentes.

A ANMIGA assumiu seu compromisso com as mulheres indígenas de todos os biomas, e mesmo diante de um contexto de aumento da violência contra seus corpos, territórios e espíritos, realizou a Caravana das Originárias da Terra e aldearam a política institucional a partir da eleição das Deputadas Federais da Bancada do Cocar.

A Caravana das Originárias foi construída através de 18 encontros em 14 estados brasileiros, alcançando diretamente 846 mulheres indígenas e estendendo seu impacto para mais de 5 mil mulheres indígenas de forma indireta. Abrindo espaço para a partilha e debate, entre mulheres indígenas, suas histórias, experiências, lutas e para a construção de laços e relações entre elas de forma a fortalecer e empoderar as parentas também em seus territórios.

A Bancada do Cocar, construída pelas mulheres indígenas como plataforma política de ocupação institucional, contou com 7 candidaturas de mulheres como Deputadas Federais e 10 candidatas como Deputadas Estaduais.  O número de mulheres candidatas indígenas nas Eleições 2022 é o responsável pelo crescimento de parentes indígenas postulantes a um cargo eletivo desde 2014: a participação das mulheres registrou um aumento de 193%, passando de 29 para 85 candidaturas. O crescimento dos candidatos homens nesse período foi de 80,35%.

A presença e atuação indígena na Câmara dos Deputados se inicia com Mário Juruna, continuado anos depois por Joênia Wapichana. Ressaltamos a importância do mandato da Joênia, primeira mulher indígena Deputada federal que ocupou e alargou o espaço político para a participação institucional e incidência direta sobre os debates nacionais para as mulheres indígenas. Em 2022, as mulheres indígenas inauguram um novo marco civilizatório para a sociedade brasileira, a partir da eleição de mais duas mulheres indígenas apoiadas pela construção coletiva de suas propostas políticas articuladas através da ANMIGA.

A vitória da Bancada do Cocar está expressa na vitória das deputadas eleitas Sônia Guajajara, com mais de 157 mil votos em São Paulo, e Célia Xakriabá com mais de 100 mil votos em Minas Gerais, e também nos expressivos votos recebidos pelas outras candidatas, que mesmo que ainda não eleitas, chegam a este momento fortalecidas, potentes e confiantes de seus papéis e espaços políticos a serem conquistados também nas diversas escalas do poder institucional.

As Guerreiras Indígenas candidatas em 2022 enfrentaram diversos cenários de violência e racismo institucional durante suas campanhas. Os processos eleitorais e partidários, tradicionalmente conservadores, machistas e racistas, se encarregaram de reforçar suas barreiras à participação das mulheres.

Mesmo diante da ausência ou escassez de recursos para suas campanhas, do apagamento de seu protagonismo pelos partidos, dos ataques diretos e indiretos e também da falta de apoio de setores machistas do próprio movimento indígena, as Mulheres Indígenas celebram sua vitória coletiva e reafirmam seu compromisso com o aldeamento da política também no pleito municipal.

A caminhada e luta das mulheres indígenas, agora com incidência direta no poder legislativo através da atuação de Sônia e Célia, segue enraizada nos territórios e nas bases do movimento de mulheres indígenas a partir da atuação da ANMIGA, que através da Caravana das Originárias fortaleceu e empoderou a rede das organizações de mulheres em suas terras e comunidades.

Somos mulheres originárias,  reflorestando as mentes, ao som de nossas vozes, cantos rezas e maracás, seguimos aldeando a política em um ano de eleição onde nossos corpos seguem sofrendo violentamente as consequências da política anti-indígena no Brasil. Seguimos enraizando a bancada do cocar, alimentadas pela terra, e multiplicado pelas sementes.

Por um Brasil mais humano para as mulheres originárias, pelas florestas em pé, pelos rios, pelo nosso povo gritamos!! Demarcação JÁ!

Brasília, 16 de outubro de 2022

* A ANMIGA é composta por mulheres indígenas a partir de suas escalas de atuação e articulação. As Mulheres Raízes são as mulheres articuladoras à nível do território; as Mulheres Sementes são as mulheres articuladoras à nível do estado; as Mulheres Terra são as mulheres articuladoras a nível dos biomas brasileiros; e por fim, as Mulheres Água que são as mulheres a nível internacional. 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support